O que Camus ensina sobre o Fair Play do futebol brasileiro

CamusO escritor Albert Camus era apaixonado por futebol. No livro Futebol ao Sol e à Sombra, Eduardo Galeano, outro craque da posição e apreciador  do jogo, conta que quando chegava em casa, a avó de Camus fazia uma cuidadosa inspeção no solado do seu sapato para conferir se havia um desgaste acima do normal. Em caso positivo, era sinal de que o rapaz havia jogado bola e naquele momento poderia iniciar seu aquecimento para entrar na surra.

Mesmo sob ameaça, ele não se desligou do esporte e eternizou uma frase sobre o jogo. Certa feita, Camus teria dito: tudo que aprendi na vida sobre moral devo ao futebol. E, ao menos no que se trata do caso brasileiro, o escritor argelino (que segundo à suposição de Galeano escolheu a posição de goleiro para evitar o desgaste das solas dos sapatos) não poderia estar mais certo.

Há algum tempo, no país em que se plantando nem tudo dá certo, brotam em diferentes cantos uma daquelas discussões circunloquiais, em que tanto Pedro quanto João brigam sem razão, e que diz respeito ao Fair Play no futebol. Uma expressão que já foi concebida de maneira tortuosa, se considerarmos que o tal Jogo Justo – ou Jogo limpo, como queiram -, foi gestado pela Fifa, entidade regida por gente pouco adepta à limpeza dos próprios negócios, que cultiva o hábito de investir em discursos e medidas politicamente corretas para jogar o que há de pior no esporte que ela dirige para debaixo de um tapete em que os cartolas pisam e fingem não ver.

Na teoria o Fair Play é até legal. É um conjunto de medidas, mas que na maioria dos casos  pode ser resumido quando um time, vendo que o adversário foi prejudicado por um choque ou uma contusão, interrompa o jogo colocando a bola para fora de campo. Em resposta à nobre atitude, espera-se que o adversário, depois de ter seu atleta atendido, devolva a bola de bom grado para que, em seguida, o jogo volte ao confronto normal.

No futebol brasileiro, ultimamente presenciamos cada vez mais partidas nas quais jogadores brigam, reclamam, desabafam e se lamentam pelo não cumprimento do Fair Play. O último fim de semana foi um exemplo. Tudo porque, justiça feita às devidas exceções, os brasileiros praticam com frequência um engenhoso expediente para tirar proveito dessa prática e distorcer o intuito do Fair Play. O que tem se tornado comum é que quando um time está vencendo, seus jogadores, principalmente nos minutos finais da partida, acontecem de sofrer contusões, cãibras e súbitos mal-estares. Muitos gemem, gritam e rolam na grama esperando que a partida seja interrompida em nome do tal Fair Play. O problema é que, de tão repetida, a cena ficou manjada e quem está atrás do marcador não aceita mais se submeter um gesto cordial de colocar a bola para lateral ou devolvê-la, sob o risco de premiar a dissimulação do rival que usa o Fair Play em benefício próprio.

Verdade que essa distorção do Fair Play talvez não tenha sido inventada aqui e certamente não é exclusividade nossa, mas a persistência generalizada no ato e o costume de reclamar sobre o próprio direito ao Fair Play, isso sim me soa como algo bem brasileiro.  Voltando ao que disse Camus sobre moral e futebol, pensei se não haveria na vida um reflexo do nosso Fair Play de cada dia naquele que não paga seus impostos, mas exige do governo o manejo justo do dinheiro público. Ou daquele que reclama por seus direitos individuais, mas para na vaga de deficientes só um “pouquinho” quando está com pressa (o que pode significar sempre). Ou daquele cidadão que se derrete pela maneira gentil com que é tratado no trânsito pelos estrangeiros, mas em seu país resiste em ceder o espaço do seu carro ou alguns segundos do seu tempo para os outros.

Os exemplos são quase infinitos.  E o que aprendemos sobre nossa moral, em nosso futebol e em nossa vida, é que Fair Play bom é Fair Play que me serve.

Bom Senso F.C. não tem bom senso

O Bom Senso F.C. promete outra manifestação na rodada de hoje do Brasileirão.

O objetivo desses jogadores, todo mundo já sabe – ou deveria saber, é levantar bola para questões que desde Charles Miller seguem esquecidas pelas federações e pela Confederação Brasileira de Futebol.

Em entrevista ao Estadão, Paulo André, um dos líderes,  afirmou que o movimento não apoiará lado algum à presidência da CBF.

E reitera que só lutam por uma pauta , em especial a readequação do calendário e o que eles chamam de fair play financeiro.

Com a política no Brasil dominada pelo pragmatismo, onde todos, até notórios críticos dessa prática, abandonam suas ideias e discursos por uma chance de se chegar ao poder, o Bom Senso F.C. vem com um papo de negar uma posição cativa ao lado dos poderosos para não chutar longe os ideais.

Poucas coisas são tão distante da praxis política nacional, que ensina sempre tocar de lado para não furar o esquema.

Não bastasse, essa turma ainda pleiteia um corpo a corpo com a CBF e sua estrutura tão rígida e viciada que só quem perdeu o senso teria coragem de enfrentar.

Tanto que o próprio Paulo André reconhece que esse time ainda avançou muito pouco nas negociações e que a CBF pouco interesse tem demonstrado a eles.

Mesmo assim, insistem.

Enfrentar o conformismo dominante parece muito mais coisa de Contrassenso Futebol Clube.

Cutucar o  adormecido  futebol brasileiro é prova de que esse Bom Senso F.C. não tem o menor bom senso.

Porque acreditam no que o futebol ensinou, não a política: o lado mais fraco sempre tem chance de vencer.

Da arquibancada, resta-me fazer aquilo que é das coisas mais apaixonantes do futebol: torcer para o time mais fraco e, quem sabe, vibrar a cada sofrida vitória.

De verdade. Só de ter um Bom Senso F.C. para torcer já são três pontos na tabela.