O que Camus ensina sobre o Fair Play do futebol brasileiro

CamusO escritor Albert Camus era apaixonado por futebol. No livro Futebol ao Sol e à Sombra, Eduardo Galeano, outro craque da posição e apreciador  do jogo, conta que quando chegava em casa, a avó de Camus fazia uma cuidadosa inspeção no solado do seu sapato para conferir se havia um desgaste acima do normal. Em caso positivo, era sinal de que o rapaz havia jogado bola e naquele momento poderia iniciar seu aquecimento para entrar na surra.

Mesmo sob ameaça, ele não se desligou do esporte e eternizou uma frase sobre o jogo. Certa feita, Camus teria dito: tudo que aprendi na vida sobre moral devo ao futebol. E, ao menos no que se trata do caso brasileiro, o escritor argelino (que segundo à suposição de Galeano escolheu a posição de goleiro para evitar o desgaste das solas dos sapatos) não poderia estar mais certo.

Há algum tempo, no país em que se plantando nem tudo dá certo, brotam em diferentes cantos uma daquelas discussões circunloquiais, em que tanto Pedro quanto João brigam sem razão, e que diz respeito ao Fair Play no futebol. Uma expressão que já foi concebida de maneira tortuosa, se considerarmos que o tal Jogo Justo – ou Jogo limpo, como queiram -, foi gestado pela Fifa, entidade regida por gente pouco adepta à limpeza dos próprios negócios, que cultiva o hábito de investir em discursos e medidas politicamente corretas para jogar o que há de pior no esporte que ela dirige para debaixo de um tapete em que os cartolas pisam e fingem não ver.

Na teoria o Fair Play é até legal. É um conjunto de medidas, mas que na maioria dos casos  pode ser resumido quando um time, vendo que o adversário foi prejudicado por um choque ou uma contusão, interrompa o jogo colocando a bola para fora de campo. Em resposta à nobre atitude, espera-se que o adversário, depois de ter seu atleta atendido, devolva a bola de bom grado para que, em seguida, o jogo volte ao confronto normal.

No futebol brasileiro, ultimamente presenciamos cada vez mais partidas nas quais jogadores brigam, reclamam, desabafam e se lamentam pelo não cumprimento do Fair Play. O último fim de semana foi um exemplo. Tudo porque, justiça feita às devidas exceções, os brasileiros praticam com frequência um engenhoso expediente para tirar proveito dessa prática e distorcer o intuito do Fair Play. O que tem se tornado comum é que quando um time está vencendo, seus jogadores, principalmente nos minutos finais da partida, acontecem de sofrer contusões, cãibras e súbitos mal-estares. Muitos gemem, gritam e rolam na grama esperando que a partida seja interrompida em nome do tal Fair Play. O problema é que, de tão repetida, a cena ficou manjada e quem está atrás do marcador não aceita mais se submeter um gesto cordial de colocar a bola para lateral ou devolvê-la, sob o risco de premiar a dissimulação do rival que usa o Fair Play em benefício próprio.

Verdade que essa distorção do Fair Play talvez não tenha sido inventada aqui e certamente não é exclusividade nossa, mas a persistência generalizada no ato e o costume de reclamar sobre o próprio direito ao Fair Play, isso sim me soa como algo bem brasileiro.  Voltando ao que disse Camus sobre moral e futebol, pensei se não haveria na vida um reflexo do nosso Fair Play de cada dia naquele que não paga seus impostos, mas exige do governo o manejo justo do dinheiro público. Ou daquele que reclama por seus direitos individuais, mas para na vaga de deficientes só um “pouquinho” quando está com pressa (o que pode significar sempre). Ou daquele cidadão que se derrete pela maneira gentil com que é tratado no trânsito pelos estrangeiros, mas em seu país resiste em ceder o espaço do seu carro ou alguns segundos do seu tempo para os outros.

Os exemplos são quase infinitos.  E o que aprendemos sobre nossa moral, em nosso futebol e em nossa vida, é que Fair Play bom é Fair Play que me serve.

Eduardo Galeano: Figurinha do Uruguai

Eduardo Galeano figurinhaO jornalista e escritor Eduardo Galeano não só é uma importante figura do Uruguai como de toda América Latina.

Seu livro mais conhecido, “As veias abertas da América Latina” se tornou um clássico para aqueles que, no campo do pensamento político, gostam de se posicionar ao lado esquerdo e para aqueles que buscam entender as raízes que prendem o continente ao atraso.

Em se tratando do jogo de bola, seu livro fundamental chama-se “Futebol ao Sol e à Sombra”.

Com ele, Galeano conta a evolução do esporte mais popular do planeta, desde sua pré-história, dos jogos com o pé em bolas ainda rudimentares nas civilizações antigas, passando pelo surgimento das regras modernas na Inglaterra do século XIX e o desenvolvimento do esporte na América no início do século XX.

Futebol ao sol e a sombra capa

Quando chega à era do profissionalismo, o autor faz um apanhado abrangente do futebol usando como linha mestra as Copas do Mundo até a edição dos Estados Unidos, última antes do lançamento do livro, em 1995 (no Brasil, é possível encontrar a mesma edição da imagem, da L&PM Pocket, atualizada até o Mundial de 2010).

Em um dos capítulos iniciais, com tom mais filosófico, Galeano rechaça o axioma “futebol é o ópio do povo”, como se essa fosse uma obrigação pessoal com sua consciência, já que muitos intelectuais de sua estima, como o admirável  Jorge Luis Borges, nutriam desprezo pelo esporte das massas.

O autor não só apresenta bons argumentos de que é possível ser um torcedor assíduo sem cair no fosso da alienação, como também narra com senso crítico aguçado diversos episódios em que o futebol é utilizado perversivamente para enriquecer corporações e dirigentes, ou também como instrumento de propaganda política dos mais nefastos governos, inclusive o Regime Militar brasileiro.

Como promete o título, Galeano não se esquece do futebol e suas sombras. Já quando fala do sol, é uma explosão de craques históricos, folclores e histórias reais contadas em uma linguagem objetiva e ao mesmo tempo com certa poesia.